Técnica de Vedação

Construídos e martelados artesanalmente a partir de folhas de cobre para dar forma a curvas delicadas e graciosas, não existem dois potes com diâmetro idêntico. Cada capacete é concebido para cada pote. Porque são feitos artesanalmente, é natural que se verifique uma pequena folga entre as peças. Para evitar a eventual fuga de vapores pode utilizar-se uma técnica de vedação muito simples, uma massa feita à base de água e farinha de centeio. Basta misturar a água e a farinha de centeio e fazer uma massa macia num recipiente. De seguida, introduza e friccione esta mistura em todas as uniões.

Quando montar o seu alambique introduza o pescoço de cisne no pote com uma ligeira pressão. Una também o pescoço de cisne (e/ou outras partes) ao recipiente de condensação. Se ocorrer uma fuga de vapores basta adicionar um pouco da massa de farinha de centeio à área correspondente.

Após alguns anos de uso é natural verificar-se uma folga entre o pote e o pescoço de cisne, sendo necessário vedá-la para evitar a fuga de vapores.

Para separar as peças do alambique após a destilação estar completa, dê-lhes uma pancada directa com a palma da mão. A massa de farinha de centeio sai muito facilmente.

Para separar os tubos, puxe-os cuidadosamente na área onde não existam uniões rápidas de latão.

Os vapores procurarão sempre a forma mais fácil para escaparem através do tubo, por isso não há necessidade de aplicar uma quantidade muito espessa de massa de farinha de centeio.

Um método alternativo é utilizar uma fita de vedação em silicone, igual àquela que se observa na imagem, ou qualquer outra fita de vedação que resista a altas temperaturas. A fita de vedação visa evitar a fuga de vapores e permitir que o capacete do alambique salte, aquando da pressão gerada pela sua obstrução. Por isso, certifique-se de que não coloca fita em demasia.