Arak

O Arak, também conhecido como raki na Turquia, é um licor com sabor a anis, originário do Médio Oriente ou do Mediterrâneo, bastante similar ao ouzo da Grécia, embora mais forte. O Irão, a Síria, o Líbano, Israel, a Turquia e a Jordânia, todos estes países produzem diferentes variedades de Arak. O nome desta bebida deriva da palavra “arak”, que em árabe significa sumo ou suor, que é alias mais apropriado uma vez que o “suor” do destilado condensa para formar o “sumo” ou o Arak no recipiente de condensação. Trata-se de uma bebida basicamente destilada a partir da polpa de uva ou de melaços.

O Arak é tradicionalmente destilado em alambiques de cobre, através de um processo de dupla destilação. A primeira destilação em tudo se assemelha àquela que se faz para obter aguardente portuguesa (veja o nosso documento A Experiência Portuguesa), uma aguardente transparente e origina um destilado com um volume alcoólico entre os 45 e os 50%. É durante a segunda destilação que o Arak adquire o seu sabor peculiar. O anis é colocado no alambique juntamente com o destilado, processando-se a sua destilação muito lentamente. A destilação lenta e o controlo da ratio de anis concedida ao destilado são o segredo para produzir um produto de excelente qualidade com uma percentagem de álcool entre os 69 e os 71%. A Alquitarra, é por muitos privilegiada devido ao seu demorado processo de destilação, sendo especialmente aconselhada para este tipo de destilação.

Esta bebida é servida diluída em água, o que lhe confere uma cor esbranquiçada. Esta característica, juntamente com a sua elevada concentração alcoólica deu origem ao nome “leite de leões”. Normalmente é acompanhada com aperitivos conhecidos como “mezza”, semelhantes às tapas (tradicionais em Espanha) ou servida em churrascos, sendo alternadamente bebida com água. No Médio Oriente, as destilarias das povoações locais costumam fazer uma festa enquanto destilam o Arak, onde abunda a bebida e, claro, “mezza”.

Note-se que existem no Médio Oriente muitas variações de Arak, podendo ser utilizados sementes, melaços, ameixas, figos e batatas na sua destilação. Depois de engarrafado, o volume alcoólico do Arak pode variar entre 53% a 60%, podendo atingir os 80%.

No Líbano, o Arak é armazenado em jarras de barro, uma tradição que remonta da época dos Fenícios. É aqui que o Arak é desprovido de quaisquer impurezas e amadurecido, adquirindo uma propriedade que o envelhecimento em jarras de barro lhe confere. Durante o processo de envelhecimento pode perder volume alcoólico, 3 a 4%, a chamada “porção dos anjos”.