Barris e Equipamento Enológico

Carvalho

Temos adquirido, exclusivamente, os melhores produtos em carvalho, para o envelhecimento de vinhos e bebidas espirituosas, que reflecte também o nosso compromisso com a qualidade de uma das mais conceituadas tanoarias em Portugal.
O carvalho francês é obtido a partir da região de Allier em França e o carvalh...

Carvalho

Temos adquirido, exclusivamente, os melhores produtos em carvalho, para o envelhecimento de vinhos e bebidas espirituosas, que reflecte também o nosso compromisso com a qualidade de uma das mais conceituadas tanoarias em Portugal.
O carvalho francês é obtido a partir da região de Allier em França e o carvalho branco Americano, a partir de florestas renováveis no Missouri. Na Europa do Leste o carvalho é obtido a partir da Hungria.
O carvalho é cuidadosamente seleccionado e envelhecido no exterior, com secagem entre 24 e 36 meses, antes da fabricação do barril.

Tipos de Barril

Os nossos tanoeiros têm procurado manter-se a par dos desenvolvimentos modernos na indústria vinícola, para garantir que eles cumprem as necessidades do mercado. Com base na interacção entre o vinho e o carvalho, foram desenvolvidos três tipos de barris, são eles: Tradição, Inovação e Prestigio. Estes tipos de barris não são diferenciados segundo a origem do carvalho, mas no tipo de queima utilizado.
Os entendidos referem que o factor mais importante para a contribuição de todo o processo de fabricação do barril para além da selecção da madeira, é a forma com que os tanoeiros manipulam o carvalho.
Os nossos tanoeiros utilizam uma tecnologia de ponta na queima dos barris, para que se obtenha sabores e aromas mais consistentes, o tempo de queima e a curva de temperatura, que reflecte o aumento progressivo da temperatura, são cuidadosamente controlados por computador com o auxílio de sensores infravermelhos, estrategicamente localizados ao lado do braseiro, ou do pote da queima. Este método permite uma queima mais prolongada, com maior penetração de calor sem bolhas. Outros factores que diferenciam os estilos incluem o tempo de secagem do carvalho, e o tipo de grão da madeira.

O perfil  tradição é o estilo da casa, os barris são fabricados com madeira de carvalho cuidadosamente seleccionada, depois de um tempo de secagem ao ar livre mínimo de 24 meses.
O processo da queima é controlado, e a curva de temperatura leva cerca de 35 minutos para estar completa e resulta num aroma com perfil característico da presença de taninos, dando ao vinho uma maior persistência na prova. As notas de baunilha estão presentes, assim como o chocolate e coco, mas com menor intensidade.

Tradição, é um perfil recomendado para vinhos bem estruturados e de envelhecimento prolongado. Esta linha apresenta também características excelentes para o envelhecimento de bebidas alcoólicas destiladas.

Inovação: Efectuado com madeira cuidadosamente seleccionada, tendo um período mínimo de secagem ao ar livre de 24 meses. A sua queima controlada, com uma curva de temperatura que se prolonga durante 45 minuto, adequa-se ao estágio de vinhos com perfil "Novo Mundo". A presença de taninos  é mais suave, sendo estes mais redondos e finos. Ideal para estágios não muito prolongados de vinhos jovens e frutados, este barril apresenta notas de baunilha, café e especiarias.

Todo este conjunto, potencia o desempenho deste barril, preservando todas as características do vinho respeitando a sua fruta, e complementando-o, enriquecendo o seu aroma e paladar. 

Prestigio. Criado sob um conceito de selecção mais rigoroso, utilizando madeira de grão extra fina e um período de secagem de madeira ao ar livre, de no mínimo 36 meses, este barril apropriasse ao estágio de vinhos de grande potencial, devido à qualidade da madeira, que apresenta o carácter para a perfeita simbiose entre o vinho e a madeira.
Devido à sua queima cuidadosamente acompanhada e prolongada no tempo aproximado de 60 minutos, na sua prova os taninos presentes são muito equilibrados e redondos. As notas de frutos secos, e especiarias, dão-lhe a suavidade necessária para respeitar o aroma e o frutado do vinho que nela estagia, tornando-o mais fino e equilibrado.

Outras considerações a ter em conta na selecção do barril de carvalho

Francês ou Americano?

O carvalho francês é muito mais suave e menos agressivo do que o carvalho americano. Os vinhos ou aguardentes envelhecidos em carvalho americano, tendem a obter o sabor a carvalho num ritmo mais rápido, e necessitam estagiar por menos tempo. Os vinho porém vão precisar de mais tempo nas garrafas para lhes conferir alguma maciez.
O carvalho Francês proporciona uma fragrância suave e é destinado a vinhos refinados e bebidas espirituosas.

Qual a queima?

A escolha da queima por parte do produtor ou destilador, depende muito do seu objectivo no que diz respeito ao produto final.

O processo de envelhecimento de bebidas alcoólicas, consiste no objectivo de extrair o máximo de aromas tostados, como a baunilha, caramelo etc., que conferem à aguardente destilada uma maior intensidade, e uma melhoria na qualidade da mesma. Uma queima mais intensa, é a mais recomendada juntamente com o perfil Tradição.

No que diz respeito aos vinhos, a escolha é mais complexa. Um aroma mais pesado a carvalho, não é o mais adequado, sendo que o aroma necessita ser mais suave. Caso contrário poderá alterar as características únicas do vinho.
No geral, uma queima ligeira é recomendada para vinhos brancos de natureza delicada, para que o vinho não seja subjugado pelo carvalho.
Os vinhos tintos, podem suportar aromas mais fortes, associados a uma queima mais forte, devido à intensidade dos seus aromas e sabores.
O carvalho transmite também taninos, que garantem uma maior complexidade de aromas. Os taninos mais elevados, são característicos do carvalho francês. São os taninos que ajudam também na obtenção de uma maior estabilidade e fixação na cor dos vinhos tintos. 
A queima média forte é a escolha mais frequente para muitas variedades de vinho tinto.

Quatro tipos de queimas disponíveis:

Queima ligeira
Queima média
Queima média Forte
Queima forte

Barris Recuperados

O processo de recuperação garante que nenhum resíduo de vinho permaneça no barril.
A queima original é raspada por completo, através de um processo controlada por computador, garantindo assim um rigoroso processo no controlo da qualidade. Os barris recuperados, são testados também com pressão de água, para garantir que estes estão completamente estancados.
O processo de recuperação, juntamente com um tratamento à base de enxofre, ajuda a controlar os microrganismos, bolores e o crescimento de fungos.

Alternativa ao Carvalho

Os destiladores ou vinicultores que pretendem oferecer um carácter ao seu vinho ou destilado, mas não se podem dar ao luxo de utilizar barris de carvalho, agora têm a possibilidade de utilizar aparas de carvalho, que lhe dará uma coloração maior e aromatização. Isto proporcionará à aguardente uma maior maciez.
As aparas de carvalho são, muitas vezes, adicionadas durante o amadurecimento, podendo no entanto ser utilizadas em fase de fermentação ou destilação.

Mais

Subcategorias

  • Barris em Carvalho...

    O carvalho Americano tem melhorado ao longo dos tempos, e foi ganhando a confiança de muitos produtores de vinho que ate ali eram sépticos. 

    Desenvolvimentos, tais como secar a madeira devidamente ao ar livre durante dois anos e a queima lenta e profunda, assim como o uso de madeira de carvalho de diferentes florestas, ajudaram a transformar a reputação e uso deste barril, bem como a natureza deste carvalho. Cada vez mais os produtores de vinho escolhem este tipo de barril, sendo mais rápido a fazer os vinhos e o mais utilizado para a produção de whiskey.   Barris de carvalho americano tendem a dar um sabor mais intenso aos seus vinhos com tons mais doces. 

    O Carvalho americano libera também os tons de carvalho e vanilina mais rapidamente do que o carvalho francês. Isto é o que dá aos vinhos envelhecidos em barris deste tipo de carvalho a característica "tostada" típica do carvalho Americano. 

    O carvalho americano está-se a tornar numa das ferramentas mais utilizadas para realçar as melhores características dos vinhos, e cada vez mais se estabelece como preferência para o fabricante que entende como e quando usá-lo. 

    Dentro desta categoria temos também avinhado em Pipos, ancoretas e balseiros. 

    Por favor notar que não damos garantia nos barris. Barris são feitos de madeira, e sendo um produto natural, não podemos garantir que não existam defeitos ou possam ocorrer perdas ou fugas. Se aparecer algum problema, faremos o nosso melhor para o resolver.

  • Barris em Carvalho...

    Rapidamente se tornando um verdadeiro concorrente e fonte de madeira para barris, o carvalho húngaro é agora levado a sério e altamente considerado por produtores que desejam obter os melhores resultados de seu vinho.

    Embora seja estruturalmente semelhante ao que é encontrado na França, é menos intenso e tem qualidades diferentes, incluindo um pouco menos tanino. A pesquisa mostra que a hemicelulose degrada mais facilmente formando um espectro de diferentes aromas de tostado. A madeira é seca ao ar livre durante cerca de 18 meses antes de serem feitos os barris o que contribui para a qualidade desta madeira.

    As comparações entre este tipo de barril e carvalho Francês são considerados como um elogio, já que cada vez mais fabricantes de vinho recorrem à utilização deste tipo de carvalho ao invés da variação do francês, optando pela solução mais económica.

    Por favor notar que não damos garantia nos barris. Barris são feitos de madeira, e sendo um produto natural, não podemos garantir que não existam defeitos ou possam ocorrer perdas ou fugas. Se aparecer algum problema, faremos o nosso melhor para o resolver.

  • Barris Franceses

    Existem muitas razões pelas quais os maiores produtores de vinhos insistem em usar o carvalho francês. É o mais versátil de todos os carvalhos, permitindo que produtores de vinho possam envelhecer uma grande variedade de vinhos nestes barris. Esta madeira transmite para o vinho um paladar mais moderado e requintado.

    O vinho é envelhecido em barris de madeira para realçar o sabor, aroma e complexidade do vinho através da extracção de substâncias da madeira, e para permitir que o ar possa entrar em contacto com o vinho. O Carvalho francês libera mais taninos, compostos fenólicos e sólidos para o vinho. Estes compostos ajudam a dar volume e acidez ao vinho.

     Ao contrário de outros tipos de carvalho, o francês pode ser usado tanto para envelhecer vinhos brancos como tintos. A madeira usada é seca ao ar livre durante cerca de 2 anos antes de se fazerem os barris e esta madeira é também muito utilizada para fazer Vinho do Porto.

     É a madeira mais conceituada, procurada e utilizada em vinificação. Esta elevada procura fez com que este tipo de barril seja o mais popular do que todos os outros. É conhecido pelo seu sabor subtil e aromas delicados.

    Destinado aos gostos mais requintados e delicados, o barril de carvalho francês é ideal para o fabricante de vinho mais experiente, que sabe o que quer.

    Entre a nossa selecção de barris de carvalho francês, temos também balseiros, ancoretas, e pipos . Temos também os avinhados em balseiros, pipos e ancoretas, que acrescentam aquele toque de sabor original que o fabricante do vinho procura.

    Por favor notar que não damos garantia nos barris. Barris são feitos de madeira, e sendo um produto natural, não podemos garantir que não existam defeitos ou possam ocorrer perdas ou fugas. Se aparecer algum problema, faremos o nosso melhor para o resolver.

  • Barril em Castanho...

    O Castanho Português, apesar de alto em tanino (um subproduto da madeira que, em quantidades apropriadas, melhora o sabor e permite que um vinho tinto possa envelhecer e devorar o oxigénio que, caso contrário estragaria o vinho) é muito poroso e deve ser revestido com parafina para evitar contacto directo com o vinho, servindo então estes barris não para envelhecer o vinho mas sim para o fazer e guardar. 

    Todos os nossos barris são, portanto, já totalmente preparados para armazenar o vinho. Vinho armazenado em barris de castanho português tende a desenvolver um sabor mais 
    subtil e doce. Durante os dois primeiros anos de uso, este tipo de madeira dará cor ao vinho branco, o que resulta num delicado tom de rosa.

    A madeira destes barris é seca ao ar livre durante cerca de oito meses e tende a dar uma cor forte ao vinho, o que faz com que seja mais direccionado às pessoas que desejam fazer vinho em casa, ou simplesmente para armazenar os seus vinhos, após fazê-los.

    Ideal para o produtor, que sabe como usar este tipo de barril e procura um paladar menos distintivo de seus vinhos sem nenhum traço de carvalho.

    Por favor notar que não damos garantia nos barris. Barris são feitos de madeira, e sendo um produto natural, não podemos garantir que não existam defeitos ou possam ocorrer perdas ou fugas. Se aparecer algum problema, faremos o nosso melhor para o resolver.

  • Barris em Carvalho e...